Quarta, 08 DE dezembro DE 2021

Bolsonaro cortará uso do dinheiro publico que financiam filmes adultos

Publicado em:

19 de
jul
Categorias: Mais Lidas, Política, Radar e Topo. Tags: Familia, Filme, Jair Bolsonaro, pornografia e Presidente.

O presidente Jair Bolsonaro transferiu, nesta quinta-feira, o Conselho Superior do Cinema (CSC) da estrutura do Ministério da Cidadania para a Casa Civil. A mudança foi formalizada ontem, em decreto assinado por ele, durante cerimônia em comemoração aos 200 dias de governo em Brasília. Bolsonaro aproveitou a ocasião para criticar o uso de dinheiro público para financiar filmes que, segundo ele, contrariam o "respeito com as famílias".


"Agora há pouco, o Osmar Terra (ministro da Cidadania) e eu fomos para um canto e nos acertamos. Eu não posso admitir que, com o dinheiro público, se faça um filme como o da Bruna Surfistinha. Não dá. Não temos problema com essa opção ou aquela. O ativismo é que não podemos permitir, em respeito com as famílias. É uma coisa que mudou com a chegada do governo", disse o presidente, se referindo à obra que narra a história de uma ex-garota de programa e que foi estrelado por Deborah Secco.


O ministro da Cidadania, Osmar Terra, confirmou que a direção da Agência Nacional do Cinema (Ancine) será transferida para Brasília. O restante dos funcionários, segundo ele, ficariam no Rio de Janeiro.


Nesta quinta-feira, Bolsonaro assinou a transferência do Conselho Superior de Cinema, responsável pela política nacional de audiovisual, do Ministério da Cidadania para a Casa Civil. O objetivo é que o Palácio do Planalto tenha mais influência sobre o órgão. Oficialmente, o intuito é "fortalecer a articulação e fomentar políticas públicas necessárias à implantação de empreendimentos estratégicos para a área".


No evento, o presidente focou mais em questões ideológicas e deixou de lado medidas econômicas. Ele voltou a falar da suspensão do vestibular que reservava 120 vagas para transgêneros e pessoas não-binárias, o que, para ele, é algo que não pode acontecer. Ele disse que por ser um vestibular "exclusivo" significa que "não tem espaço para quem for heterossexual".


Bolsonaro também disse que não sabia o que era "não-binário," foi pesquisar, mas não ia comentar em respeito aos presentes. A categoria de pessoas que não se definem exclusivamente como homem ou mulher é contemplada em glossário da Organização das Nações Unidas (ONU). "Não podemos preservar um concurso público que tem esse comportamento. Tenho de levar avante as bandeiras que fizeram o povo acreditar em mim", afirmou Bolsonaro


O presidente também usou o evento para, mais uma vez, cogitar concorrer a uma reeleição ao final do mandato. "Temos grande desafio, entregar em 2023 ou 2027 um Brasil melhor a quem nos suceder".



gazetadobalao.net


[comment-form]

 

Outras Notícias

Saiba como funciona o Sedex dos correios
Como funciona o blockchain?
5 dicas de como economizar para viajar
Tire suas dúvidas sobre o uso das cadeias de consagração
Saiba tudo sobre as carabinas de pressão